Você está em: Página inicial | Maternidade | Mamães e Papais | Cuidados no pós-parto
Cabeçalho | Maternidade | Hospital Santa Lucinda

Cuidados no pós-parto








Após nove meses de profundas mudanças no corpo da gestante, um dia chega o grande momento: o nascimento do bebê. Todos sabem que a gravidez não é doença e que o parto em algum momento vai acontecer, porém não podemos esquecer que alguns cuidados devem ser tomados após esta ocasião tão especial.

O período logo após o parto é chamado de puerpério, e é o momento onde ocorrem intensas modificações físicas, hormonais e psicológicas em um curto período de tempo. Todos os órgãos se recuperam das alterações ocorridas ao longo da gravidez, com exceção das mamas, que começarão a produzir o leite.

Após um período de 24 a 36 horas as mulheres e seus bebês recebem alta da maternidade, portanto devem tirar todas as dúvidas com seu médico e equipe multiprofissional ainda durante sua permanência no hospital, para que possam ir para suas casas confiantes e seguras.

Independente se o parto foi normal ou cesárea, as puérperas necessitam manter uma alimentação saudável e equilibrada, rica em proteínas (carnes magras, peixes, leite, queijo, ovos e leguminosas como a soja e o feijão). Por outro lado, é recomendável retirar o excesso de açúcar, sal, gordura animal e frituras.

O ideal é que se beba muito líquido, matéria prima para produção do leite, dando preferência para suco de frutas, leite e água, evitando sempre o consumo de bebidas alcoólicas. Não fumar ou utilizar drogas ilícitas, principalmente se estiver amamentando, é outro fator de suma importância.

A mamãe deve usar roupas confortáveis e aconselha-se o uso de sutiã, adequado, proporcionando maior sustentação das mamas, prevenindo flacidez, além de impedir que o “leite empedre”. O uso de cintas não é obrigatório, embora exista o mito de que elas são necessárias.

A secreção genital que as puérperas apresentam chama-se lóquios. Este processo de loquiação é decorrente da cicatrização da área do útero onde estava situada a placenta. No início é vermelha viva (lóquios rubros) e gradativamente vão se tornando mais escuros (fusco) e depois de aproximadamente dez dias tornam-se amarelados (flava), e desaparecem após 6 (seis) semanas. Os lóquios têm cheiro característico, porém não desagradável. Na presença de cheiro forte e desagradável devemos pensar em infecção e o tratamento deve ser administrado por um médico imediatamente.

A automedicação deve ser totalmente proibida nessa fase, podendo levar a sérios riscos tanto para a saúde da mãe quanto para o recém-nascido. Vários medicamentos “passam para o leite” alterando sua quantidade e qualidade. Outro aspecto importante a ser abordado é o da higiene pessoal. A mulher no pós-parto deve redobrar a atenção, tomando banhos diários inclusive lavando os cabelos e trocando o absorvente toda vez que for necessário. O uso de absorventes internos é permitido após a cicatrização da episiotomia (nome dado ao corte feito na região genital para ampliar a passagem do bebê). Tanto a cicatriz de episiotomia quanto a da cesárea devem ser higienizadas com água e sabonete pelo menos uma a duas vezes por dia.

As dores abdominais decorrentes da cesárea e as causadas pela episiotomia desaparecem gradativamente e são controladas com simples analgésicos prescritos no momento da alta hospitalar. Dores mais fortes acompanhadas de vermelhidão e inchaço no local da cicatriz devem ser comunicadas imediatamente ao médico obstetra As relações sexuais podem ser iniciadas, se for de desejo da mulher, após a completa cicatrização das feridas cirúrgicas. Nesta fase o epitélio vaginal está mais fino e a lubrificação vaginal prejudicada, portanto as relações sexuais devem ser mais cuidadosas para que não haja grande desconforto. É importante discutir com o marido ou companheiro a forma mais conveniente para que o casal possa retomar as relações de forma prazerosa para ambos.

No puerpério, as mulheres começam a se preocupar novamente com a silhueta de seu corpo, porém é preciso paciência. A perda de peso imediatamente após o parto, pela saída do recém-nascido, placenta e de líquido amniótico é em torno de 4,5 a 5,0 kg. Outros 1,5 a 2,0 kg adicionais serão perdidos nos próximos 10 dias pela eliminação do líquido retido no organismo ao longo da gravidez. Se houve um ganho de peso excessivo durante a gravidez, é necessário buscar auxílio de um nutricionista para que ele possa estabelecer um cardápio elaborado para cada caso. Os exercícios para combater a flacidez abdominal, assim como a prática de esportes podem ser iniciados 15 dias após parto normal e depois de 60 dias após cesárea.

A alegria da chegada do bebê muitas vezes pode ser substituída por medo, insegurança e ansiedade. Isso é normal, uma vez que a rotina diária da nova mamãe sofre grandes mudanças e as atenções antes voltadas para ela, agora são direcionadas para o bebê. Aos poucos, tudo isso é superado, uma vez que a mamãe vai se acostumando com o bebê e consequentemente se torna mais tranquila para cuidar dele. Porém, se insegurança, irritabilidade, choro frequente, falta de interesse e tristeza impedirem que a mãe cuide de seu bebê, o médico deve ser avisado, pois podem ser sintomas de depressão puerperal, situação que exige tratamento.

PUC-SP | Fundação São Paulo - logo

Hospital Santa Lucinda
Rua Cláudio Manoel da Costa, 57 - Jd. Vergueiro
Sorocaba - SP | ver mapa de localização

Telefone: (15) 3212.9900
FAX HSL: (15) 3212.9815 ou (15) 3212.9900 Ramal 9600